Crianças leem o Alcorão em mesquita da cidade de Jalalabad, no Afeganistão. Os muçulmanos estão no Ramadã, mês sagrado do islamismo
Crianças leem o Alcorão em mesquita da cidade de Jalalabad, no Afeganistão(Noorullah Shirzada/AFP/VEJA)
O islamismo será a religião com o maior crescimento mundial nas próximas quatro décadas e, se a atual tendência se mantiver, se aproximará muito do cristianismo em número de fiéis em 2050. A informação foi revelada pelo Centro Pew em um novo estudo publicado sobre as projeções para o crescimento das populações religiosas nas próximas quatro décadas.
O relatório intitulado "O futuro das religiões do mundo: População e Projeções de Crescimento 2010-2050" constatou que em 2050 o número de cristãos irá girar em torno de 2,9 bilhões de pessoas, enquanto os muçulmanos, com um aumento percentual muito maior, chegarão a 2,8 bilhões. Atualmente existem 1,6 bilhão de muçulmanos em todo o planeta, enquanto os cristãos somam 2,17 bilhões de seguidores.
Segundo estas projeções, o islamismo será praticado então por 29,7% da população mundial, enquanto o cristianismo será a religião de 31,4%. O destaque no crescimento ficou para a Europa, onde o número de fiéis muçulmanos chegará a 10% da população. Com a exceção dos budistas, todos os principais grupos religiosos crescerão em número para 2050, mas alguns deles em velocidade menor do que o próprio crescimento populacional do planeta.





LEIA TAMBÉM:

Na América Latina, a pesquisa prevê que os cristãos seguirão sendo o maior grupo religioso nas próximas décadas, inclusive com um crescimento de 25% entre 2010 e 2050. No entanto, indica que na região o maior aumento será entre aqueles que dizem não ter uma crença, de 45 milhões em 2010 para 65 milhões em 2050. Para os Estados Unidos, o estudo calcula que em 2050 a população de muçulmanos irá ultrapassar a de judeus, embora os cristãos ainda apareçam como maioria.
O estudo, baseado principalmente em censos e coleta de dados, levou em consideração o efeito das migrações, as conversões e a idade e o índice de fertilidade das populações religiosas. Em média, as muçulmanas têm 3.1 filhos, a taxa mais alta entre os grupos religiosos. As mulheres cristãs têm 2.7 filhos, as hindus 2.4 e as judias 2.3.
Durante o estudo o Centro Pew não considerou a profundidade com que as religiões estão inseridas nas populações, nem as subdivisões internas de cada uma delas. O projeto, que exigiu um grande esforço do Pew, é um dos primeiros a fazer uma análise demográfica do tipo e expõem um amplo e interessante quadro sobre um futuro próximo.
Nota: A igreja brasileira tem condições de reverter este quadro se ela utilizar o potencial humano e econômico que possui e que foi dado por Deus para esta tarefa missionária.
Miseravelmente, estamos com a visão ofuscada e embaçada. Nossa preocupação e ocupação é investirmos em nossas mundanas ambições terrenais e locais.
Se a Luz da Igreja não brilhar as trevas dominarão este mundo e pagaremos um preço alto demais.
Acordem, Líderes, Pastores, Obreiros e membros da Igreja de Cristo... A "Meia-Noite" está chegando. 
Fonte: Redação da Revista Veja: Nota - Pastor Romero

Postar um comentário

Pr. Antonio Romero Filho

{picture#http://imagizer.imageshack.com/img922/3226/HlUzqY.jpg} Presidente da Assembleia de Deus - Ministério de São Lourenço - MG - Brasil. Fundador do CIM - Centro Internacional de Missões. Pioneiro de Missões do Ministério de Taubaté - SP - 1981/2001 - Diretor responsável pelo Portal CNB. {facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}
Tecnologia do Blogger.