Meditemos  e façamos um exame introspectivo para crescer ministerialmente, pois  Bíblia diz: "Dá instrução ao sábio, e ele se fará mais sábio; ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento. Provérbios 9.9 - Vamos reflexionar nos 30 conselhos abaixo mencionados:

1- Aprenda a ouvir. O ouvido bem treinado vale mais do que uma boca ativa. Os pastores incompetentes raramente escutam, enganam a si mesmos como se soubessem todas as respostas, como se soubessem mais do que os membros. 

2- Seja atencioso com aquele que quiser lhe falar e não se afaste dele enquanto não terminar de falar tudo. Afastar-se abruptamente levará o membro a concluir que você não se importa com ele.

3- Sempre que disser um "não" ao obreiro, membro ou líder de departamento, explique claramente o motivo e, se for o caso, explique quais condições devem ser atingidas para que você diga um "SIM".

4- Espante os boatos, substituindo-os por fatos. Corrija, imediatamente, as inverdades. Convoque uma reunião imediata, se for necessário. Não deixe o circo pegar fogo.

5- Não deixe de responder a um membro, caso tenha solicitado um tempo para pensar sobre um pedido que ele fez. Seu silêncio o fará perceber que você não deu a mínima para ele. Não fuja do assunto.

6- Esforçe-se em contar aos membros toda a verdade sobre seus motivos. Não existe nada mais infame do que motivos dissimulados. Quanto a Igreja não sabe onde o seu pastor quer chegar, os membros começam a fazer conjecturas, e com toda a probabilidade, conjecturas errôneas. Sempre sempre direto e claro em suas declarações. Não fique mandando "indiretas” de cima do púlpito.

7- Não exija o cumprimento de tarefas "para ontem". Dê sempre um tempo para que as suas determinações sejam cumpridas.

8- Não seja exagerado ou severo, caso tenha de repreender alguém. Controle-se; conte de um a dez, respire fundo. Ressalte as qualidades do membro, antes de partir para a repreensão propriamente dita. Após repreendê-lo, reforçe que ele é muito importante para Deus e para a igreja; ressalte o seu valor.

9- Delegue, isto é, transfira para outro (delegado) a autoridade e a responsabilidade para a execução de uma tarefa, de responsabilidade final do delegante (você). Tentar centralizar todas as decisões e tarefas em torno de si só demonstra a sua insegurança como líder, além de causar estresse, com risco de infarto. 

10- Procure identificar os membros pessimistas que fazem comentários negativos a respeito dos trabalhos e da administração da igreja. Feito isso, faça um reunião com cada um deles e procure explicar o motivo de suas decisões. Mostre, também, porque você acredita no sucesso dos projetos que estão em andamento. Ignorar esses pessimistas costuma ser perigoso. Um pouco de fermento leveda toda a massa.

11- Não queira ser o super-homem. Aceite a responsabilidade por erros cometidos. A maior deficiência que podemos ter é não reconhecermos nossas deficiências.

12- Envolva-se com os departamentos da igreja. Conheça cada componente, cada função. Participe com dicas e acompanhe o progresso de cada um deles. Os membros dos departamentos são intensamente motivados quando percebem que o seu pastor demonstra interesse por suas atividades.

13- Caso ouça boatos sobre membros que estão querendo sair da congregação, aborde cada um deles, e procure saber seus motivos. Talvez eles estejam passando por problemas que você possa resolver.

14- Atribua o mérito a quem merece. Não deixe que uma autoridade eclesiástica elogie você por um trabalho que foi idealizado por um membro da sua igreja. Aponte aquele que realmente merece a honra. Rejeite essa medalha, pois não é sua.

15- Evite ao máximo repreender alguém na frente de toda a igreja; geralmente isso resulta em humilhação, trazendo prejuízos morais  para o membro. Faça isso em particular. O resultado é mais positivo.

16- Confronte irmãos mentirosos (infelizmente existem). Examine os acontecimentos e confirme as falsidades faladas. Depois converse particularmente com esse membro, conscientizando sobre os males que a língua ferina pode trazer para a igreja. Diga-lhe que você não vai tolerar esse tipo de conduta.

17- Confronte também aqueles que gostam de apunhalar as pessoas pelas costas ou sabotar esforços alheios (é triste, mas também existem). Se for necessário, retire o seu poder, deixando-o totalmente sem função na igreja, até que aprenda a respeitar o seu irmão. Ser condescendente nessas situações é muito perigoso, pois traz riscos para a unidade da igreja.

18- Trate a todos da mesma forma. Não privilegie ninguém. Não tranforme nenhum membro em "estrela" da igreja. Você perderá muito em credibilidade, caso a igreja perceba que você favorece mais a alguns irmãos do a que outros. Lembre-se: ninguém é superior no corpo de Cristo, nem quem tem o dízimo mais alto. Não deixe existir em sua igreja o “queridinho do pastor”.

19- Inclua em sua agenda a visita a irmãos que deixaram de frequentar a Igreja. Se não puder fazer isso, designe outros irmãos para a tarefa (Que saudade das antigas comissões de visita!)

20- Elogie em público e não em particular. Se quiser reconhecer o trabalho de alguém, faça diante de toda a igreja.

21- Faça reuniões regulares com a igreja em geral, com os departamentos, só com os líderes de departamentos e também com os obreiros.

22- Não domine as discussões durante as reuniões. Não seja o dono da verdade. Deixe os membros falarem e expressarem suas opiniões. 

23- Respeite a diversidade de sua igreja. Cada ser humano tem um perfil único, com deficiências e qualidades. Procure descobrir e explorar o potencial de cada membro, seja culto ou analfabeto, rico ou pobre, fraco ou forte, tímido ou audacioso.

24- Não aceite rivalidades na igreja. Se souber que dois membros vivem em pé-de-guerra, mesmo que não seja aberta, procure pacificar a situação. Chame os dois para conversar e peça para que um verbalize a queixa que tem contra o outro e vice-versa. Busque a orientação do Espírito Santo e tente achar uma solução para o conflito. Conscientize-os que progresso da igreja só pode ocorrer se houver harmonia em seu meio.

25- Deixe claro quais são as metas que você estabeleceu para sua igreja. Os membros precisam saber que é a sua visão para o futuro, quais são as metas a serem alcançadas. Estabeleça uma igreja com propósitos.

26- Pratique o que prega. Cobre mas também dê o exemplo. 

27- Não se renda aos bajuladores. Geralmente eles cercam o pastor com agrados para conseguirem privilégios, tais como: disciplina menos rígida, cargos, mais oportunidades no culto, etc.

28- Considere anátema toda tentativa de formação de "panelinha" em sua igreja. Esses círculo íntimos, formados por pessoas que compartilham os mesmos lamentos e resmungos, só provocam divisões e criam divergências. A igreja não é a "panelinha de Cristo”. A Igreja é o corpo de Cristo no qual todos participam e são importantes. 

29- Se for colocar um obreiro, membro ou departamento na “geladeira” (tenho dúvidas quanto a essa medida) explique o motivo de sua atitude e informe quanto tempo o irmão ou departamento não terá oportunidade no culto ou qual a condição a ser cumprida para que essa suspensão seja cancelada. . 

30- Não faça comentários negativos sobre um membro ao conversar com outro membro. Essa prática só induz mais "fofocas" na igreja. Pastor exemplar não é fofoqueiro.   

Observações: 

Nota: Com permissão do autor deste interessante artigo eu acrescentei um conselho a mais:

cuidado com: a dama (adultério, fornicação, carnalidade), a cama (preguiça, inatividade, falta de frutos), a fama (soberta, egocentrismo, complexo de superioridade), a grana (explorar, roubo, não dizimar). Pastor Romero

O autor desse artigo reconhece que não existe nenhuma “receita de bolo” infalível” para pastorear uma igreja, tendo em vista a profunda complexidade e a intensa dinâmica das relações humanas dentro de uma igreja. Entretanto, acredita que as dicas acima constituem um importante guia para um pastoreado eficiente.

O autor desse artigo não o escreveu com a presunção de querer demonstrar que é especialista em ética pastoral. Na verdade, o mesmo acredita que o pastor-modelo, mostrado acima é o resultado de uma idealização que habita o coração de todo cristão sincero, que deseja ser tratado por um pastor que realmente ama e cuida das ovelhas.

Fonte: Blog Cristiano Santana 

Postar um comentário

Pr. Antonio Romero Filho

{picture#http://imagizer.imageshack.com/img922/3226/HlUzqY.jpg} Presidente da Assembleia de Deus - Ministério de São Lourenço - MG - Brasil. Fundador do CIM - Centro Internacional de Missões. Pioneiro de Missões do Ministério de Taubaté - SP - 1981/2001 - Diretor responsável pelo Portal CNB. {facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}
Tecnologia do Blogger.