O contribuinte britânico está ajudando a - de alguma forma - aliviar o sofrimento de quatro em cada cinco dos países listados como nações onde os cristãos são mais perseguidos.
Dos 50 países onde é mais difícil viver como cristão, a Grã-Bretanha deu auxílio a 40.
Uma análise feita pelo Telegraph sobre ajuda internacional em comparação relatada por uma lista da missão Portas Abertas Internacional mostra que os países onde viver o evangelho significa ir para a prisão, ser discriminado e sofrer abusos, receberam quase 2,4 bilhões de libras esterlinas do Departamento para o Desenvolvimento Internacional e um outro valor de quase 3,2 bilhões de agências oficiais.
Os cristãos no Oriente Médio e partes da África estão enfrentando ataques repetidos de extremistas terroristas e há temores crescentes de que a fé cristã poderia ser dizimada completamente em alguns desses países onde ela teria se originado primeiro.
O primeiro-ministro David Cameron disse recentemente que o Cristianismo é agora a religião mais perseguida em todo o mundo e a Grã-Bretanha deve, sem hesitação, levantar-se em favor da liberdade religiosa.
A ascensão do extremismo islâmico fez subir de 40 para 50 os países listados com estas dificuldades nos registros da Missão Portas Abertas.
A Somália, que ocupa o segundo lugar na lista - atrás somente da Coreia do Norte - no que diz respeito à perseguição dos cristãos, recebeu 107,3 milhões de libras em ajuda do Reino Unido. Já o Iraque, onde os cristãos sofreram perdas sem precedentes nas mãos do Estado Islâmico, recebeu 7 milhões.
O Paquistão, onde os cristãos estão sofrendo sob as duras "leis de combate à blasfêmia", recebeu quase 34 milhões de libras.
Michael Nazir-Ali (ex-bispo de Rochester, que agora é presidente da Oxtrad, uma instituição de caridade de apoio a igrejas que enfrentam perseguição) disse ao Telegraph: "O compromisso da Grã-Bretanha em ajudar é louvável, mas é preciso se certificar de que estas quantias são realmente direcionadas às pessoas certas e da maneira certa".
"Eu acho que temos que destiná-las com muito cuidado e onde há realmente necessidade de certificar-se de que a ajuda não está sendo usado simplesmente para apoiar as empresas britânicas ou outros interesses e, certamente, para se certificar de que este dinheiro não está sendo usado para sustentar a corrupção".
Um porta-voz do Departamento de Desenvolvimento Internacional (DFID) disse: "A ajuda britânica tem o objetivo de combater a discriminação por cabeça - sugerir o contrário é profundamente enganoso. O DFID está trabalhando estreitamente com os nossos parceiros de caridade para ajudar a criar sociedades mais abertas e livres".
"A verdade é que, parar de ajudar estes países é uma medida contraproducente". isto vai simplesmente vai cortar apoio a mulheres e crianças e homens perseguidos, além de prejudicar a saúde futura, a educação e o bem-estar das pessoas mais pobres do mundo".
Fonte: Notícia Gospel

Postar um comentário

Pr. Antonio Romero Filho

{picture#http://imagizer.imageshack.com/img922/3226/HlUzqY.jpg} Presidente da Assembleia de Deus - Ministério de São Lourenço - MG - Brasil. Fundador do CIM - Centro Internacional de Missões. Pioneiro de Missões do Ministério de Taubaté - SP - 1981/2001 - Diretor responsável pelo Portal CNB. {facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}
Tecnologia do Blogger.