Recentemente fui convidado a participar de uma festividade em uma igreja, e chegando lá o pastor me informou ser um culto de libertação.

Ao perguntar a ele quantas pessoas não crentes estavam no plenário do templo, ele mesmo admitiu que praticamente todos eram membros da própria igreja, e, em que pese ser uma dia de semana, é bom registrar que o templo estava praticamente lotado.

Isso chamou minha atenção e comecei a falar com Deus, orando no espírito, quando veio paz ao meu coração e como uma luz interior clareou:

HÁ CRENTES QUE PRECISAM DE LIBERTAÇÃO!

É comun entendermos que precisam de libertação, somente aquelas pessoas cuja manifestação demoníaca se apresenta em forma de possessão. É bom que se registre que muitos não estão possessos, porém estão opressos, ou seja oprimidos.

A Bíblia diz:

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." 2 Coríntios 5: 17

Como pode alguém que se diz cristão genuíno, produzir em suas palavras e ações, atitudes que não condizem com a vida de um verdadeiro cristão, mas sim de alguém que nunca conheceu a Jesus?

Reitero aqui que, em assim sendo, nada conta a favor dessa pessoa, nem a denominação, ou mesmo o tempo de evangelho, a idade, o cargo eclesiástico que tenha onde congrega, a carteirinha de membro, ou seja, absolutamente nada. O inimigo nada respeitará, a não ser que esse "irmão" se converta de direito e de fato.

Nós seres humanos, na condiçao de cristãos, graduamos e rotulamos alguns níveis de pecado como se isso fosse verdade. Entendemos, via de regra, que alguns pecados como adultério, fornicação, roubo declarado e alguns tipos de escândalos, são pecado graves e "para a morte".

Onde está escrito isso na Bíblia?

Pecado é pecado e não tem classificação.

A Bíblia diz:

"Todos pecaram e destituidos estão da glória de Deus." - Romanos 3: 23

Não existe essa classificação do que é mais pecado ou menos pecado.

O problema consiste em que, nessa cultura criada, muitos pecados permanecem no seio da igreja como se fossem coisas comuns: Inveja, ciúme, palavras torpes, maledicência, inimizades, porfias, guerra pelo poder, mentira, bebedeira, glutonaria, feitiçarias disfarçadas de superstições, e outras coisas mais. O apóstolo Paulo em Gálatas 5: 20 traz uma grande relação do que acontecia naquela época, eu creio que hoje a lista cresceu.

São pecados considerados de "menor importância", dos quais a maioria não se arrepende, não pede perdão e muito menos perdoa, e nessa "toada" continuamos brincando de ser crentes, ou seja, enganando e sendo enganados. No dia da celebração da ceia, não produzimos qualquer exame introspectivo como a Palavra recomenda e "venha cá pão, venha cá o vinho" e está tudo certo. Como diz uma pessoa que conheço, são os "papa-ceia".

Quando Paulo fala aos coríntios: "Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice". I Coríntios 11: 28, está dizendo que devemos fazer o exame, aarrependermo-nos do que está errado, e mudarmos nossos caminhos.

Por esse motivo, nossa geração "canta", "louva", "determina", "profetiza", "decreta", "expulsa", porém na prática na prática, nada ou muito pouco para ser otimista, acontece. É culto de libertação, vitória, sete dias e sete semanas disso e daquilo, campanhas e correntes e...... NADA! Tenho a nítida impressão que isso tounou-se uma maneira prática de arrecadar dinheiro, quando em todos os tempos a igreja sobreviveu financeiramente com os dízimos e ofertas alçadas, mesmo a neotestamentária.

Não estaríamos tentando conciliar todas essas práticas "aparentemente maravilhosas, porém discutíveis à luz da Palavra" com os citados pecados, numa tentativa de uma conciliação espúria e que desagrada a Deus? Não seria uma tentativa inglória de enganarmos a Deus?

Meus amados e queridos irmãos, me coloco entre todos pois não sou melhor do que ninguém, vamos abrir os olhos porque algo está errado.

Esses pecados, tidos como menores ou sem importância, são brechas por onde o inimigo entra e se aloja, e pra falar a verdade nem se manifesta para não ser expulso. É exatamente isso que ele quer, a acomodação do pecado no meio do povo de Deus.

E vejamos que isso acontece entre a maioria, do mais novo crente e infelizmente até mesmo no meio da liderança da igreja, e olhe lá se a coisa não for pior ainda entre esses, de onde deveria sair o exemplo. Servindo ao Senhor e à Igreja na condição de pastor, digo isso com muito temor e tremor, pois a Bíblia diz: "Aquele pois, que cuida estar em pé, olhe não caia." I Coríntios 10: 12.

Por conta disso estamos vivendo uma tempo de "inchaço" da Igreja, ou seja, muita transferência de crentes de igreja para igreja, alguns até mesmo motivados por essas desavenças, seja com seus pares ou mesmo com a lideranças. Gente que não se conserta, não se arrepende e nem perdoa. Mudam de Igreja e continuam com os mesmos pecados. Alguns ainda levam essas maledicências para onde vão. Pastores, cuidado com essas ovelhas que andam de rebanho em rebanho. Digo isso registrando que, entendo perfeitamente que para toda regra existem as excessões. Existem também as situações nas quais a própria liderança provoca tais situações, por isso a bíblia diz: "Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria" Romanos 12: 8 - (o grifo é meu)

Como atual presidente do Conselho de Pastores na cidade onde resido e congrego, conheço algumas que já passaram por todas as igrejas, e quando não há mais nenhuma pela qual não tenham passado, trazem um ministério de fora, até que lá arrumem nova confusão e então tragam outro. É lamentável, e isso não tem outra explicação, a não ser a motivação do pecado, para o que somente a LIBERTAÇÃO através de Jesus Cristo. Onde fica para esses "crentes" a Palavra que diz: "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." João 8: 36


Quando digo que muita gente está enganando aos outros e enganando-se a si mesmo, é justamente porque pensam que Deus é amor e no fim tudo vai dar certo. Deus é amor, mas ao mesmo tempo é Justiça e Fogo consumidor.
Não brinquemos com Deus.

Vejamos o que diz a Palavra de Deus:

"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus." Gálatas 5: 19-21

Repito o final do versículo:

"NÃO HERDARÃO O REINO DE DEUS"

Quem diz isso não sou eu, mas a Palavra de Deus.

Por isso meus irmãos, finalizo dizendo:

PRECISAMOS PREGAR A PALAVRA QUE LIBERTA PARA OS CRENTES

Que o Eterno tenha misericórdia de nós e através do Espírito Santo, nos conduza aos princípios da sua vontade.

Soli Deo Glória,

Pr. Carlos Roberto Silva
Servo de Jesus e da Igreja

Publicado aqui originalmente em 20.05.2009

Fonte: Blog Point Rhema

Postar um comentário

Pr. Antonio Romero Filho

{picture#http://imagizer.imageshack.com/img922/3226/HlUzqY.jpg} Presidente da Assembleia de Deus - Ministério de São Lourenço - MG - Brasil. Fundador do CIM - Centro Internacional de Missões. Pioneiro de Missões do Ministério de Taubaté - SP - 1981/2001 - Diretor responsável pelo Portal CNB. {facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}
Tecnologia do Blogger.