Houve um tempo que os missionários partiam para o campo sem levar em sua bagagem qualquer conhecimento acerca da cultura do povo que iam evangelizar, e o resultado de tal empreendimento ainda que movido pela fé e disposição de cumprir o Ide de Jesus, frequentemente era o fracasso causado pelo desconhecimento dos costumes, dos valores, das crenças e da cosmovisão desse povo. Hoje isso não é mais aceito por aqueles que têm um mínimo de bom senso.

Quando os missionários atravessam uma fronteira para ali viverem muitos anos, para pregar as Boas Novas numa outra nação, é necessário um preparo abrangente de tudo o que ele vai enfrentar e sofrer na nova cultura, para não ser pego desprevenido  pois do contrário ficará sem ação diante do inevitável choque transcultural.

Apresento aqui 7 atitudes que o missionário transcultural não deve ter ao deparar-se com uma cultura desconhecida:

1. O missionário deve chegar no novo país e deixar bem claro, que ele chegou não para ensinar mas para aprender com os nativos; ou seja, ele está ali como aluno e não como mestre;

2. Nunca jamais comparar nada de seu país de origem com o novo país em que ele está vivendo, pois irá humilhar os nativos e automaticamente se levantara uma grande barreira entre ambos;

3. Aprenda a amar os nativos como eles são, e não como você desejaria  que eles fossem, pois na nova cultura as pessoas são completamente diferentes em tudo daquilo que somos na nossa cultura;

4. É o missionário que tem que atravessar a "rede cultural" e adaptar-se a nova cultura; e nunca tentar trazê-los para a sua cultura;

5. Nunca menospreze na nova cultura, aquilo que parece ser sem valor ou ridículo, pois o comportamento cultural é diferente em todos os países;

6. Não entre em conflitos ou tenha discordância com a liderança local, pois a cosmovisão de ambos são diferentes na área ministerial e leva tempo para associá-las;

7. Não leve para o novo país, seus usos e costumes, liturgia de culto, instrumentos musicais etc., pois o missionário terá utilizar no novo país, seus instrumentos, formas de cultuar e aprender na nova cultura o que é indecente e decente para eles e aplicá-los na conduta cristã.

O missionário mais estimado no campo, não é o melhor que fala o idioma local, ou que passa a gostar dos alimentos típicos do local, mas o que aprende a amar os nativos, pois os nativos se acercarão do missionário amoroso, dizendo: "amamos este missionário porque ele também nos ama!"

Veremos a seguir outros aspectos de distintas culturas:

No Japão - gestos carinhoso prolongados em público é considerado escandaloso;

Na Espanha - mostrar o polegar para cima é um símbolo de apoio ao movimento terrorista; 

Na Arábia Saudita - cruzar as pernas na frente de alguém  pode ser considerado um sinal de desrespeito; 

No Marrocos - os cumprimentos são importantes e beijam-se no rosto, pois quanto mais beijos roçando o rosto mais é o elo da amizade; o arroto durante a refeição é uma demonstração de que se está satisfeito com a comida; 

Na Guatemala - entre os índios Kechis o nível social é medido pela quantidade de terras e pela possibilidade de dar festas aos vizinho; 

Na Tanzânia - bater na porta entre os Zanakis é uma atitude de ladrão; 

Na Índia - os Párias a classe mais desprezada e baixa, costuma usar roupas de pessoas que já faleceram e realizam os trabalhos mais desprezáveis; comem com a mão direita, pois a esquerda é considerada impura; 

Oriente Médio - para os muçulmanos deixar o seu livro sagrado no chão significa falta de respeito. O papel higiênico é substituído pela chaleirinha de água;

Na Rússia - o beijo entre homens não limita-se no rosto, pois eles se saudam com leve beijo nos lábios;

Na China - usam palitos para comerem suas refeições;

No México - é comum comer pimenta desde a infância até as balinhas são apimentadas;

Na Coréia do Sul - cachorros são criados em granjas próprios para a alimentação;

Na África - os cultos chegam a dura de 6 a 8 horas e dançam durante o louvor; existem regiões que o cumprimento é uma cuspida no peito, ambos fazem o mesmo;

Na Alemanha - chegar atrazado numa reunião ou encontro é considerado falta de responsabilidade e falta de respeito:

Na Venezuela - em alguns lugares ao invés de usar-se o dedo par apontar alguma coisa, usa-se os lábios.

Pela diversidade das culturas é muito importante que o missionário passe por uma Agência Missionária para aprender a vencer a etapas da enculturação e para adaptar-se de uma forma mais rápida e sem choques graves na nova cultura. "Prevenir é bem melhor do que remediar"

Pastor Antonio Romero Filho

Postar um comentário

Pr. Antonio Romero Filho

{picture#http://imagizer.imageshack.com/img922/3226/HlUzqY.jpg} Presidente da Assembleia de Deus - Ministério de São Lourenço - MG - Brasil. Fundador do CIM - Centro Internacional de Missões. Pioneiro de Missões do Ministério de Taubaté - SP - 1981/2001 - Diretor responsável pelo Portal CNB. {facebook#http://facebook.com} {twitter#http://twitter.com} {google#http://google.com} {pinterest#http://pinterest.com} {youtube#http://youtube.com} {instagram#http://instagram.com}
Tecnologia do Blogger.